Latest News

<<Back to Latest News Main Page

GB.Net News Archive ~ GB.Net News By Category

CAFRI interview Gerard Butler (Orig and Translation)

Category: Interviews
Article Date: May 8, 2007 | Publication: CinemaCafri | Author: Lucas Salgado
Source: CinemaCafri.com

Posted by: maryp


~thanks Renata
==============
I can see you’ve gone shopping in Rio. I’ve seen you near an Osklen store.
These are my Osklen pants, this is my Osklen shirt. I’m a walking Osklen store. What happened was American Airlines lost our luggage. Everybody’s luggage. So we went to Osklen and they simply gave us everything, which was very kind of them. I was in London, then we went to New York. Before that we were in LA, then we traveled for 11 hours to London, then to New York, and then here. So we got to customs in São Paulo and our luggage was gone and that was a mess, so we got to Rio and that put a smile on everybody’s face, because this place is so beautiful. You get here and you see those beaches, those beautiful islands…

What is it like to be in this movie, which is now a great success?
Very nice.

Did you expect all this success?
No. I mean I hoped the movie would do well. I remember when I read the script, read the graphic novel, heard Zack’s ideas, I felt like I was being shown a secret and that a movie like that could be a revolution, something very interesting and different. And when I finally saw the movie it was so much more than I could have ever expected in every aspect, but even then I only thought it could go so well. I saw it with the audience and they loved it, but I don’t think anyone expected it to be so big. It seems to reach something bigger than us, bigger than the movie itself, and the way people are reacting to it is very interesting. I got a letter from a guy who said he saw the movie in Savannah, Georgia, and that it got a standing ovation. He said he had never seen anything like that before, so it seems some movies just get people really excited.

What’s like being the hottest name in Hollywood right now?
I’m not sure I’m the hottest name right now.

We’ve been reading a lot about you over the Internet.
I can’t answer that question because it would look like I think I’m the hottest name in Hollywood (laughs). I certainly feel a few things have been changing very rapidly in my career. And that’s a good thing, but I think I’m lucky not to have had the time to take it all in yet, because it all happened on that one weekend and on Tuesday I was on a plane to London, where it hasn’t happened yet, and now I’m here and I won’t to be here when it happens. So I think it’s going to take some time to absorb it, but that’s a good think, because if it all got too big too fast I would probably end up letting myself go.


Tells us a little bit about becoming an icon to the comic fans.
I’ve had to deal with this kind of thing before, where your acting brings many risks, because you expose yourself in a part that can bring so much criticism, good and bad. So you can’t pay too much attention to the criticism, in the same way that you can’t pay too much attention to the compliments. Obviously you appreciate the acclaim, but if you only pay attention to that and not to the criticism it can get a bit unbalanced. It’s one of those things, whatever happens, happens and that’s that. I wanted to play this character because whatever I did it wouldn’t mean anything if it wasn’t for Zack Snider, the brains behind this work. In the other hand, his work wouldn’t mean anything without my work and the entire cast, which is a great thing because that’s what the movie is all about. About no man being able to get by alone, you need teamwork, each and every Spartan is an essential element but if one of them fails, everything collapses. If Zack had failed I wouldn’t be sitting here, and if I had failed Zack wouldn’t be sitting here. Maybe we should have failed so we wouldn’t have to give so many interviews (laughing)!

You are going to play Snake Plissken, right? Is it true, about “Escape from New York”? Is it confirmed?

Yes, it is, but of course it all depends on finding the right scrip and the right director. I love the idea, but it’s still a long way. It will be months before we can even sit down and discuss the project. But it’s a great idea. If we do it right, that could be another great and very different movie. I wouldn’t do it if I didn’t think it could be something different and challenging.

So it’s not a remake then?
It’s a remake considering John Carpenter’s “Escape from New York”, but at the same time it’s a new take on the whole thing. I think it will keep the basic elements but, within those limits, it should be very different.

Did you talk to Kurt Russel about it?
No, not yet. It all happened too fast and I’m not sure yet I want to talk to Kurt Russel about it. I mean, he’s one of my favorite actors and he’s on John Carpenter’s “The Thing”... Well, “The Thing” is one of my favorite movies. But I want this to be my Snake Plissken. I didn’t talk to Russel Crowe before playing this part. Talking to people can only make you play a worse version of what they did. I don’t want to do that.

There are many debates about the political perspective in “300”, mostly regarding the current affairs in the Middle East. In your perspective, given that you play a king who’s also a hero, how would you define Leonidas?
You know, that’s for you to decide. We knew we were getting into a dangerous territory. I knew whatever parallels I could draw would be personal, they would be inside my head, and thinking about what my people, the Scottish people, went through. But I wouldn’t bring that to a modern context because, to be honest, that’s just stupid. That wouldn’t give me the flavor or the fire that I needed. People keep saying the movie makes a political point, and some people say the same thing, but in the very opposite way. I mean, whomever they point out as being Bush, or the USA, and who they say it’s Iraq can be swapped. You can argue in both ways. So it’s hard to say we were trying to make a political argument when people can say opposite things. That’s good if it puts people debating the current situation, but that wasn’t our intention.



What’s like to come from “Phantom of the Opera” into lord of war? In “Phantom…” we could barely see you face and on this movie there’s a physical thing going on. How was your preparation for that? Was it too hard?

It was very hard… He just asked me four questions all at once (laughing)! The training for that was very, very hard. 8 months on a diet and working out sometimes 6 hours a day, working out on the set. I had two trainers and the stunts… it was very extreme and I suffered a lot from that after the shooting. In “Phantom…” it was different, I had vocal training a full time commitment, I mean, at 7:30 I was already singing, I went into the studio and rehearsed. I would sing everywhere I could. It sounds obsessive, but I’m used to playing obsessive characters, so it works. The Phantom for me was a very emotional thing, like a primal scream. I felt such deep and obscure emotions; I tried to describe them to people like they didn’t come from me, because they came from a place so deep it was kind of scary. And feeling that for such a long time was quite an experience. Playing the Phantom was a beautiful thing, but, at the same time, it was dark and dangerous, in a way. And with this character it was as if all I felt during Phantom came down to a minuscule spot, at the center of it all. I felt so powerful, so focused and invincible, I was like a laser beam pointing forward, almost the opposite. Both parts took a lot of work, but this last part was more painful. Not getting into details, I made some of the decisions about the king immediately, in terms of posture, in terms of body. The way he moves, the way he talks, the intensity in his eyes… Then you build all from there, from this skeleton, like the flesh covering the bones. It’s funny because I forgot about those decisions and when I saw the movie I kept thinking, “wow, I have a deep voice there!” Sometimes I see the images from the movie and I see myself with my shoulders back and in that posture and I realize how much I was enjoying all that strength and power. It’s a bit shocking to watch all that, the things I did as a king, with that look, and think, “did I do all that?” I love it when I can barely recognize me. Same thing with the Phantom. You really have to go out of you way to play these guys. When I played “Attila the Hun”, I had a dream, right after the shooting, where I was watching Attila, watching him, but I was seeing myself. It was my face I saw, but in the dream I didn’t have the feeling that was me. After I woke up I have to say I felt very pleased.

Besides the graphic novel, did you have any other source of research for Leonidas?
Yes. There were the comic books, but I also watched long documentaries about the Spartans, besides a lot of literature about the Spartans, the time in History where they lived, the Thermopylae… To be honest, though, the most direct contact was between Zack, the comic book and me.

Did you read anything else by Frank Miller? Besides 300?
Yes, I read “Sin City”, I mean, I read the rest of “Sin City” and one night I went out with him and we talked about possible future works, you never know. He gave me all of his work, which is a lot of stuff. But I’ve been on the road ever since, trying to read 25 different scripts, and I’m not one of your fastest readers, and I’m trying to read 4 books beside those scripts… so… no.



Zack is going to make “Watchmen”. Can you give us any details?
There are no details. We talked, but I can’t speak for Zack.

Do you picture yourself as any of the characters in the book?
I can’t comment on that.

How was your relationship with Rodrigo Santoro on set?
He came in the middle of the shooting and it was difficult for him, because everyone had been there for a while and he had to play a very different part, so I didn’t want to be in his place. But we hit it off very soon, and we talked a whole lot, and we went out and had fun… He’s a really nice guy and I have to say his work in this film is phenomenal. It would have been a whole lot easier to take less risks and go easier on the character, but he really went as far as he had to in order to create a Xerxes as extreme as the rest of the movie. And he got there. He is a great guy. Really! You know those people with whom you become friends right away, someone who is going through a similar phase, who has the same view on things that you do? I kept thinking we shouldn’t have talked so much, since we were supposed to be archenemies (laughing).

============================



********************
ORIGINAL
Eu vejo que você já sabe fazer compras aqui no Rio. Eu te vi aqui perto numa loja da Osklen.

Esta é a minha calça da Osklen, esta é a minha camisa da Osklen. Eu sou uma loja da Osklen ambulante. O que aconteceu foi que a American Airlines perdeu a nossa bagagem. A de todo mundo. Então a gente entrou na loja e eles simplesmente nos deram tudo, o que foi muito amável da parte deles. Eu estava em Londres e nós viajamos via Nova York. Antes nós estávamos em LA e viajamos onze horas até Londres e então para Nova York e depois para cá. E então nós chegamos na alfândega em São Paulo e nossa bagagem tinha sumido e foi aquele inferno e então nós chegamos no Rio, que colocou um sorriso no rosto de todo mundo porque este lugar é muito bonito. Você chega e vê as praias e aquelas belas ilhas...

Como é estar neste filme que agora é um sucesso tão grande?

Muito bom.

Você esperava este sucesso?

Não. Quer dizer, eu tinha esperança que o filme fosse muito bem. Eu me lembro lá atrás, quando eu li o roteiro, li os quadrinhos e vi as idéias do Zack, que me senti como se estivesse vendo um segredo e que este filme poderia ser revolucionário e uma coisa tão legal e diferente. E então quando eu assisti o filme ele era muito mais do que eu poderia esperar em todos os aspectos, mas mesmo assim eu só achei que ele poderia ir bem. Eu vi junto ao público e eles adoraram, mas acho que ninguém esperava que fosse ser algo tão grande. Ele parece mexer com algo que é maior que nós, que é maior que o próprio filme, e o mais interessante é como as pessoas estão reagindo a isto. Eu recebi uma carta de um cara dizendo que assistiu o filme em Savannah, Georgia, e o filme foi aplaudido de pé. Ele disse que nunca viu algo assim, ás vezes parece que alguns filmes simplesmente empolgam as pessoas.

Qual é a sensação de ser o nome mais quente em Hollywood agora?

Eu não sei se sou o nome mais quente agora.

Nós temos lido um bocado de coisas sobre você na internet.

Eu não posso responder essa pergunta porque fica parecendo que eu acho que sou o nome mais quente em Hollywood (risos). Eu com certeza percebi muitas mudanças muito rapidamente em termos de carreira. E é bom, mas eu não sei se é sorte eu sentir que não tive a chance para absorver isto tudo, porque tudo aconteceu naquele final de semana e na terça-feira eu já estava no avião para Londres, onde não aconteceu ainda, e agora eu estou aqui, e eu não vou estar mais aqui quando acontecer por aqui. Então eu acho que o processo de absorver isto tudo vai levar mais algum tempo, mas isto é bom porque se ficasse muito grande muito depressa eu ia acabar me deixando levar.

Fale um pouco sobre se tornar um ícone para os fãs de quadrinhos.

Eu tive de lidar com este tipo de coisa antes, em termos de atuar em algo que te traz alto risco porque você se expõe em um papel que pode trazer muitas críticas ou elogios. Então você na pode se prender muito às críticas, da mesma forma que você não pode se prender muito aos elogios. É óbvio que você agradece os elogios, mas se você só ouvir isso e não as críticas você fica com medo de ficar uma coisa meio desequilibrada. É mais uma coisa de o quer que aconteça, é isso mesmo e assunto encerrado. Eu queria fazer este personagem porque o que eu fizesse não significaria nada em vista de Zack Snider, que é a mente por trás do trabalho. Mas por outro lado, também não seria nada se não fosse pelo meu trabalho e de todo o elenco. Nada disso não significaria nada se não fosse pelo trabalho de todo mundo, o que é uma coisa muito legal porque o filme é sobre isso. Sobre nenhum homem conseguir sobreviver por si só, que é preciso um trabalho de equipe, que cada espartano é um elemento essencial e que se um só falhar tudo se estilhaça. Se Zack tivesse falhado eu não estaria sentado aqui e se eu tivesse falhado o Zack não estaria sentado aqui. A gente devia ter falhado para não ter de dar tantas entrevistas (risos).

Você vai ser o Snake Plisken, certo? É verdade sobre “Fuga de Nova York”? Está confirmado?

Está confirmado, mas é claro que ainda depende de encontrar o roteiro e o diretor certos. Eu adoro a idéia, mas isto está longe ainda. Vai ser pelo menos muitos meses ou um ano até nós sentarmos para discutir o projeto. Mas é uma grande idéia. Se a gente faz isso direito pode ser outro filme muito legal e muito diferente. Eu não faria se não achasse que possa ser algo diferente e desafiador.

Então não é um remake?

É um remake no sentido de “Fuga de Nova York” de John Carpenter, mas ao mesmo tempo é uma nova visualização de toda a coisa. Eu acho que vai ser igual nos elementos básicos, mas dentro destes limites vai ser muito diferente.

Você falou com Kurt Russell sobre isso?

Não. Ainda não. Tudo aconteceu muito rápido e eu ainda não sei se quero conversar com Kurt Russell sobre isso. Quer dizer, ele é um dos meus atores favoritos e ele em “O Enigma do Outro Mundo”, do John Carpenter... Bom, “O Enigma do Outro Mundo” é um dos meus filmes favoritos. Mas eu quero que este seja o meu Snake Plisken. Eu não conversei com o Russell Crowe antes de fazer este papel. Conversar com as pessoas só vai te fazer virar uma versão pior do que eles já fizeram. E eu não quero fazer isso.

Há várias discussões sobre o conteúdo político de “300”, especialmente em relação à situação do Oriente Médio. Na sua perspectiva, que fez um rei que é também um herói, como você definiria o seu Leonidas?

Sabe, isso é algo que você é que tem de decidir. Nós sabíamos que estávamos entrando em um território perigoso. Eu sabia que os paralelos que eu tivesse que traçar seriam de natureza mais pessoal, dentro da minha cabeça e pensando no que o meu povo, o povo escocês, passou. Mas eu não iria colocar em um contexto moderno porque, pra falar a verdade, isso é bobagem. Não seria isso que me daria o sabor ou o fogo que eu preciso. As pessoas ficam dizendo que o filme faz uma afirmação política, mas tem gente que diz o mesmo, mas de forma totalmente oposta. Quer dizer, quem eles dizem que é o Bush, ou melhor, quem eles dizem que são os EUA e quem eles dizem que é o Iraque estão trocados. Dá pra argumentar nos dois sentidos. Então fica difícil dizer que nós estávamos fazendo uma afirmação política quando as pessoas dizem coisas opostas. Mas isto é legal porque põe as pessoas para discutir a situação atual, mas esta não foi a nossa intenção.

Como é sair de “Fantasma da Ópera” para senhor da guerra? Em “O Fantasma da Ópera” mal dava para ver o seu rosto e neste filme há toda uma coisa física. Como foi a preparação? Foi muito difícil?

Foi muito difícil... ele acabou de me fazer quatro perguntas de uma vez (risos). O treinamento para isto foi muito, muito difícil. Foram oito meses de alimentação controlada e me exercitando às vezes seis horas por dia e malhando no set. E eu tinha dois preparadores físicos e os dublês... foi muito extremo e eu sofri muito por causa disso após as filmagens. No “Fantasma” era diferente, havia o treinamento de canto e eu assumi aquela responsabilidade em tempo integral, quer dizer, eu já estava cantando ás 7:30 e ia ao estúdio e fazia ensaios. Eu cantava em todo o lugar que eu podia. Parece uma obsessão, mas eu estou acostumado a interpretar personagens obsessivos, então funciona. O Fantasma para mim foi uma coisa muito mais emocional, como um grito primitivo, eu sentia essas emoções tão profundas e obscuras que eu tentava descrever para as pessoas como se aquilo não viesse de mim, porque era algo que vinha tão de baixo que era muito assustador. E sentir isso por meses foi uma experiência e tanto. Interpretar o Fantasma foi uma coisa linda, mas ao mesmo tempo foi muito negra e perigosa de certa forma. E agora neste papel é como se tudo que eu senti no Fantasma se reduzisse a um ponto minúsculo, no centro de tudo. E eu me senti tão forte, tão focado e invencível que parecia um laser apontando para a frente, quase como o oposto. Mas ambos os papéis necessitaram de muito trabalho. Este último foi mais doloroso. Sem entrar muito nos detalhes, algumas coisas eu decidi imediatamente sobre o Rei, em termos de postura e em termos corporais. O jeito como ele se movia e o jeito como ele se expressava, a intensidade do olhar... e então você constrói tudo a partir daí, deste esqueleto, como se fosse a carne sobre os ossos. E é engraçado porque eu tinha esquecido estas decisões então quando eu assisti o filme eu ficava pensando “uau, mas que voz grave eu tinha aí!”. Ás vezes eu estou vendo as imagens do filme e eu me vejo com os ombros para trás e toda aquela postura e eu percebo como eu estava apreciando toda aquela força e poder. É meio que um choque ver tudo junto, as coisas que eu fiz como o Rei e aquele olhar e pensar “fui eu que fiz isso?”. Eu amo quando eu mal posso me reconhecer. A mesma coisa com o Fantasma. São caras que você realmente tem de sair do lugar para interpretá-los. Quando eu fiz "Átila, o Huno", eu tive um sonho pouco depois das filmagens em que eu estava observando Átila, observando ele, mas eu estava vendo a mim mesmo. Era o meu rosto que eu via, mas no sonho eu não tinha a sensação de que aquele era eu. Depois que eu acordei eu devo dizer que me senti muito satisfeito.

Além da Graphic Novel, houve outra fonte de pesquisa para a criação de Leonidas?

Sim. Tinha os quadrinhos, mas eu também vi dois documentários bem longos sobre os espartanos, além de muita literatura sobre os espartanos, o período da História em que viveram os espartanos e as Termópilas... Mas para ser completamente honesto, o contato mais direto foi entre eu, a HQ e Zack.

Você leu alguma outra coisa do Frank Miller?

Depois de “300”? Eu li “Sin City”, quer dizer, eu li o resto do “Sin City” e eu saí uma noite com ele quando a gente conversou sobre possíveis trabalhos futuros, a gente nunca sabe, e ele me mandou as coisas todas dele, que são muitas. Mas eu estou na estrada deste então e tentando ler uns 25 roteiros, sendo que não sou dos leitores mais rápidos, e ainda tentando ler uns 4 livros além dos roteiros. Então... não.

Zack vai fazer “Watchemen”. Você pode nos dar algum detalhe?

Não há detalhes. Nós conversamos, mas eu não posso dizer nada em nome do Zack.

Você se vê como algum personagem da revista?

Eu não vou falar nada sobre isso.

Como foi a sua relação com Rodrigo Santoro nos sets?

Ele chegou no meio das filmagens e foi difícil para ele porque todo mundo já estava junto há um bom tempo e ele ainda tinha de fazer um papel muito diferente, então eu não tive nenhuma vontade de estar no lugar dele. Mas nós nos demos bem logo de cara e conversamos muito, mas muito mesmo, e saímos e nos divertimos... ele é um cara ótimo e eu devo dizer que o trabalho dele neste filme é fenomenal. Teria sido muito mais fácil correr menos riscos e pegar mais leve no papel, mas ele realmente foi tão longe quanto precisava para criar um Xerxes tão extremo quanto todo o resto do filme. E ele chegou mesmo lá. Ele é um grande cara. Verdade! Sabem aquelas pessoas que a gente fica amigo logo de cara, que estão em fases similares à sua, têm a mesma visão que você sobre as coisas? Eu ficava pensando que a gente não devia ter conversado tanto, já que nós éramos para ser arquiinimigos (risos).

 


| Printer Friendly Version



Background